Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Vinil e Purpurina

Parafernálias sobre a minha vida e a minha mente.

Vinil e Purpurina

Parafernálias sobre a minha vida e a minha mente.

Qua | 13.12.17

Ser mãe não é fácil

Purpurina
É maravilhoso, recompensador, o melhor desafio de todos mas não é fácil. Ser mãe tem sido a maior aventura da minha vida. Ser mãe testa todos os dias os meus limites físicos e psicológicos. Ser mãe é estar preparada para, sem darmos por isso e por vontade própria, ficarmos sempre em segundo lugar, ou terceiro, ou quarto. É ver no simples ato de beber um café ou almoçar com o namorado sozinha, o maior luxo do mundo. É estar preparada para me arrastar cheia de sono pela (...)
Dom | 10.12.17

Conversas da Lara #11

Purpurina
De manhã, deitada no sofá e tapada com a mantinha cor de rosa (portanto bem instalada).A Maria em pé, perto do sofá, de comando na mão.Diz a Lara: "Mãe podes pôr o Pocoyo para a Maria?"Eu: "Para a Maria?" (A Maria só gosta de ver desenhos que tenham sapos, não liga grande coisa ao Pocoyo).E pronto, as irmãs mais novas também servem para estas coisas. :)
Sex | 08.12.17

Ela chama-me "Carla"

Purpurina
  Ainda no outro dia nasceu. Gordinha e muito séria. Linda!Durante muitos meses era muito agarrada a mim, só queria o meu colo e era eu que lhe dava maior conforto.Por volta dos 16 meses apanhou a fase "Pai" que ainda está agudíssima. Vai para a porta chamar pelo pai, pergunta várias vezes pelo pai durante o dia e, quando vamos os dois buscá-la à creche, se me vê primeiro pergunta logo pelo pai.A noite passada não dormimos nada: eu, o Milton e a Maria. Ela está com bronquiolite (...)
Ter | 05.12.17

Conversas da Lara #10

Purpurina
Criei para a Lara um jogo de que eu gostava muito quando era pequena.Hei-de falar disso mais à frente mas o facto é que ela adorou.O problema é que o jogo envolve muitas notas (de brincar claro) e a Lara, já passada a hora de dormir, decidiu espalhá-las metodicamente pelo tapete da sala e arruma-las uma a uma na carteira.Aquilo era coisa para levar umas dezenas de minutos e eu ofereci-me para a ajudar, pelo que peguei num maço de notas e dispus-me a arrumá-las rapidamente.A Lara (...)
Seg | 04.12.17

3 produtos indispensáveis para os bebés

Purpurina
Quando a Lara nasceu eu não percebia nada de bebés. No hospital, sozinha, esperava que alguém me dissesse quando e como ela devia comer, quando devia mudar a fralda e tudo o mais... sempre.A primeira vez que lhe mudei uma fralda sozinha tremia por todo o lado, parecia que tinha sido ligada a uma máquina de choques pela maneira como tremia incontrolavelmente.Ela chorava muito, chorava o dia todo. E eu sempre nervosa e a passar-lhe o meu nervosismo.Depois fomos para casa e eu, o Milton (...)
Seg | 04.12.17

Coisas que só me acontecem a mim #4

Purpurina
   Depois de uma ida à dentista que me deixou com a boca anestesiada até ao pescoço (ainda por cima a pedido meu, porque a senhora costuma ser poupada na anestesia e apenas depois de eu sentir umas dores agudas e lhe pedir para carregar nas drogas, ela aplica uma anestesia que me deixa verdadeiramente a falar de lado até Ao fim do dia). Dizia eu que tinha saído da consulta dentária (e da última de 3 ou 4 fases de desvitalização de um dente) e fui apanhar o minibus na paragem do (...)
Dom | 03.12.17

Quando cuido das minhas filhas cuido da minha criança interior

Purpurina
Muitas vezes olho para as minhas filhas, principalmente para a Lara que é claramente mais parecida comigo, e vejo a criança que fui. Ou melhor, vejo uma versão muito melhor da criança que fui. Olho para as minhas duas meninas e vejo-me menina, assumo os meus pensamentos, os meus medos e as minhas alegrias de infância. Quando beijo as minhas filhas de noite e lhes digo que são a minha maior felicidade e alegria, estou a fazer exatamente aquilo que me faria sentido como criança.
Sab | 02.12.17

A Maria e o pai

Purpurina
Aos 17 meses, a Maria entrou definitivamente na fase “Pai”. Se antes era completamente agarrada a mim e só queria o meu colo, agora mal tira a vista de cima do pai começa logo a chamá-lo insistentemente. É uma coisa cómica de ver: ri-se com ar envergonhado quando ele faz brincadeiras, se eu lhe peço um beijinho diz-me que não e tenta dar antes ao pai e outras coisas que tais. É muito giro de ver, tendo em consideração que , fisicamente e tirando a barba, a Maria é uma (...)
Qua | 29.11.17

Bolachinhas de bolo

Purpurina
 Ando a fazer um boicote à Bolacha Maria e a minha mais recente ideia para os lanches das miúdas está a fazer imenso sucesso entre as miúdas e os adultos também. É a coisa mais simples do mundo! Pego numa receita de bolo normal (fazer metade da receita se o bolo for grande) e coloco num tabuleiro grande forrado com papel vegetal. Vai ao forno pré aquecido a cerca de 180º, durante mais ou menos 20 minutos (ou até começar a ficar douradinho). Depois de tirar do forno, deixa-se (...)
Ter | 28.11.17

Um presente de Natal Fantástico para todos

Purpurina
Isto das prendas de Natal tem muito que se lhe diga. Na verdade, como minimalista mais ou menos assumida e mais ou menos tolerante, não posso nem quero fugir muito à questão das ofertas de Natal. Em relação ao Milton já definimos que compraremos uma coisa para a casa e talvez algo simbólico para o outro (para que as miúdas não pensem que nos portámos mal durante o ano ou que o Pai Natal de esqueceu  de nós). Mas existem sempre pessoas a quem temos que (e queremos) oferecer (...)
Ter | 28.11.17

A importância do convívio

Purpurina
Nisto de educar filhos não há mesmo receitas mágicas e regras infalíveis. Isso é mais do que sabido. Continuo a ler livros sobre educação, a trocar ideias com outras mães, a participar em grupos de discussão no Facebook, sobre disciplina positiva, alimentação saudável, etc. Continuo, sobretudo, a aprender muito com as minhas filhas. Acho que, com uma filha de três anos e meio e outra de um e meio (totalmente diferentes uma da outra) ainda tenho mais dúvidas do que certezas.
Seg | 27.11.17

Os  lanchinhos que a Lara leva para a escola #1

Purpurina
Abre aqui uma nova rúbrica com os lanchinhos que costumo mandar para a Lara ( 3 anos) comer à tarde na escola. Às vezes faltam-me ideias, por isso, queria partilhar aqui as minhas opções e pedir-vos que partilhem também as vossas. Muitas vezes tenho a sensação que lhe estou a mandar sempre as mesmas coisas. Segue aqui um dos últimos lanches que lhe mandei: - Iogurte natural (às vezes diz iogurte magro mas é sempre sem qualquer adição de adoçante). - Panquecas de beterraba (...)
Sab | 25.11.17

Sou só eu que adoro telas luminosas?

Purpurina
 Ainda não tenho nenhuma, só luzes de presença mas já estou a preparar uma surpresa bem luminosa, fofinha e cheia de folhos (mesmo o meu estilo, só que não) para o Natal.Depois mostro-vos tudo. :DEstretanto vejam estas maravilhas.Adoro a terceira, que é muito versátil e dá para alterar letras e ícones.Clicar nas imagens para ver preços e detalhes. Estas telas têm descontos até amanhã, 27 de novembro.Conteúdo não suportado.
Sab | 25.11.17

As nossas manhãs doidas

Purpurina
As nossas manhãs são mesmo muito doidas. Até temos uma rotina mas, mesmo assim, levamos cerca de duas horas desde que nos levantamos até sairmos de casa. Ultimamente a Lara acorda a meio da noite e vem para a nossa cama. Acaba por dormir lá o resto da noite (o que a mim não me incomoda nada) mas até adormecer faz uma conversa, dá uma festinha, quer um abracinho e um monte de miminhos aos quais não resistimos e com certeza retribuímos mas, a soneca que é boa e necessária vai (...)
Sex | 24.11.17

Black Friday #3 Para os presentes de Natal dos Miúdos

Purpurina
Coisas giras, queridas e maravilhosas para meninos e meninas.Adoros as meias para os bebés, as casas de madeira, os camiões de madeira... tudo.Seguem as minhas sugestões de hoje. As de amanhã são de livros.Clicar nas imagens para ver os descontos fantásticos e os detalhes. Alguns preços ainda não estão com desconto e é preciso ler as condições para saber como obter os descontos.Conteúdo não suportado.
Sex | 24.11.17

Quando somos pessoas, mesmo depois de sermos mães

Purpurina
Ontem foi a primeira vez que caminhei, sozinha, à noite, a ouvir música com headphones até casa, e a única coisa que existia na minha cabeça era isso: eu, a caminhar sozinha e a ouvir música numa cidade. Não me acontecia há anos! Provavelmente desde que fui mãe, ou mesmo antes, não sei dizer. Acho que muitas mulheres sentem o mesmo (mesmo as que não têm filhos). É muito difícil ter a nossa mente ocupada com uma única coisa, mesmo que seja uma coisa muito boa e relaxante, (...)