Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Vinil e Purpurina

Parafernálias sobre a minha vida e a minha mente.

Vinil e Purpurina

Parafernálias sobre a minha vida e a minha mente.

Seg | 30.07.18

5 atividades simples para fazer nas férias com as crianças

1- Brincar com plasticina.

Eu coloco uma toalha velha na mesa da cozinha e a Lara entretém-se a fazer bolachas ou gelados de plasticina.
A Maria ainda não brinca com plasticina sem supervisão porque pode come-la. :D

IMG-8471 (1).JPG

 


2- Ir para um parque ou jardim jogar à bola, às escondidas, às corridas, a jogos tradicionais ou simplesmente passear.
As crianças adoram estar ao ar livre e aos pais também faz bem. 



IMG-8250 (1).JPG


IMG-8233.JPG

milton e maria 7.jpg

 


3- Ler com e para as crianças.
    Tentamos fazê-lo todos os dias mas nas férias há ainda mais tempo para esta atividade.

IMG-8406.JPG



4- Fazer puzzles e outros jogos de tabuleiro.
    A Maria ianda não se interessa muito mas a Lara tem adorado fazer puzzles. temos-lhe comprado alguns com mais de 100 peças e ela já os faz muito bem.

 

IMG-8456.JPG

 


5- Fazer atividades e jogos com materiais que temos em casa. 
    A Lara adora brincar com arroz colorido, colocando-o com uma colher em várias tacinhas pequenas. Não sei bem porquê mas ela entretém-se imenso com isto.

IMG-8183.JPG

 

Mais ideias de atividades para fazer com as crianças aqui.

 

Dom | 29.07.18

Atividades nas férias com as crianças #4

 

Expolab - Centro de Ciência Viva

IMG-8727.jpg

 

Tenho ficado com a Lara nestas férias de verão e nem sempre é fácil mantê-la entretida e bem disposta em casa.

 

Por isso um destes dias apanhamos boleia com o Milton e fomos passar a tarde no Expolab, na Lagoa, São Miguel.

 

E foi uma tarde fantástica! Estivemos sempre sozinhas nas salas e pudemos explora-las à vontade. A Lara divertiu-se muito e eu também.

 

Paguei apenas dois euros e tive acesso a todas as salas. Por mais um ou dois euros podemos comprar um kit para fazer experiências num dos três laboratórios que existem ali mas desta vez achei que já tínhamos bastante com o que nos entreter nas salas. Mas para miúdos maiores é algo muito giro para fazer (já fizemos atividades destas numa visita anterior à Expolab com amigos).

 

Muito resumidamente o que fizemos foram as atividades mais voltadas para crianças mais pequenas (para crianças maiores, de 8 ou 10 anos, há todo um mundo de descobertas para fazer) o que já nos ocupou a tarde toda. 

 

Vejamos: 

 

  • Montamos uma pista de comboios com que a Lara brincou bastante;
  • Fizemos corridas de aviões de papel;
  • Fizemos pequenos jogos e lemos livros sobre florestas;
  • Fizemos um puzzle do corpo humano com uma réplica de vários órgãos;
  • A Lara fez uma pescaria e identificamos os peixes;
  • Vimos uma exposição sensorial sobre florestas e animais;
  • Com a ajuda de um simpático funcionário do centro a Lara andou de montanha russa com uns óculos de realidade virtual e brincou com uns robots muito giros (e eu também).
  • Exploramos várias atividades e jogos como corridas de carros com ímanes, entramos num caleidoscópio gigante, entre outras coisas de que já nem me lembro.

  

Foi mesmo muito giro e vale muito a pena explorar este espaço com os miúdos a partir dos 3 ou 4 anos. 

 

Ficam algumas fotos da nossa tarde. 

 

IMG-8650.JPG

IMG-8673.jpg

IMG-8663.jpg

IMG-8713.jpg

 

 

 

Sab | 28.07.18

Para fazer nas férias com os miúdos #2

IMG_3038 (1).jpg


Tentar perceber o que se passa na cidade onde vivemos (às vezes é difícil por aqui) e levar as crianças.

Podem ser exposições de pintura, concertos ao ar livre, sessões de cinema para toda a família e tantos outros eventos.

Na altura das comemorações do Dia de Portugal esteve patente nas Portas da Cidade, durante uns dias, uma exposição sobre as Forças Armadas Portuguesas muito interessante e levámos as miúdas.

Confesso que me senti muito reticente em leva-las a ver objetos e veículos feitos para situações de guerra e violência mas, estando lá, vi que a minha visão das Forças Armadas era bastante redutora e que, através daquela exposição, podíamos ter uma consciência muito melhor do que representavam aquelas entidades.

As miúdas gostaram muito e nós também.

Elas viram barcos, aviões, armamento e muitas outras coisas com um encantamento muito próprio das crianças. 

Se tivesse mais tempo eu também ficaria ali, a tentar perceber como aquelas estruturas funcionam, com muito mais atenção mas, mesmo assim, foi muito bom ter levado lá as crianças.

Foi mesmo muito giro!

 

 

IMG_3049 (1).jpg

IMG_3050.jpg

IMG_3052.jpg

 

Sex | 27.07.18

Tully

Tully.png

 

Para uma mãe de duas crianças pequenas, gravidíssima do terceiro filho, foi bastante caricato ver este filme sobre os dramas de uma mãe de 3, completamente esgotada física e emocionalmente.

 

Ainda não percebi bem se o filme é um drama ou uma comédia mas é sem duvida um filme que vale a pena ver, principalmente se têm vários filhos pequenos.

 

Não posso dizer que me tenha identificado (muito) com a personagem mas consigo conceber aquela realidade como a de muitas mulheres com filhos pequenos. 

 

Acho que também é um filme muito bom para os homens verem, porque muitas vezes não se tem uma noção muito real do quão esgotante pode ser para uma mulher estar em casa a cuidar dos filhos.

 

Eu não sei o que isso é porque nunca fiquei a tempo integral (exceto durante as baixas de gravidez e maternidade) a tomar conta dos filhos mas acredito piamente que, por melhor e mais recompensador que seja, é também muito extenuante física e psicologicamente, principalmente para quem não estiver especialmente vocacionado para isso. 

 

As mulheres, muitas vezes, precisam muito de ajuda. Não só ajuda mais prática com as coisas da casa, a comida, a roupa, a organização da casa, as compras, e as crianças, mas também uma ajuda emocional: uma palavra de compreensão, um par de ouvidos para algumas lamurias, uma massagem nos pés, um abraço inesperado, um passeio de uma hora fora de casa...

 

Acho que tenho tido sorte porque nunca me senti muito esgotada (acho eu). Na verdade a determinada altura tive que tomar antidepressivos e já me senti de nervos esfrangalhados, principalmente quando tenho que lidar com outras pessoas ou com situações que não consigo controlar. Mas nunca é algo que dure muito tempo ou que vá desenvolvendo muito. Não tenho dificuldade nenhuma em pedir ajuda quando preciso mesmo muito. Por outro lado sinto que esta aventura da maternidade é algo vivido a dois e nunca me senti sozinha neste papel. 

 

Sempre tive a minha Tully, o Milton, que é a melhor ama da noite que podia querer.

 

Recomendo mesmo muito que assistam a este filme. É giro, pertinente e bastante revelador de uma realidade para a qual nem sempre estamos atentos.

 

 

Qui | 26.07.18

Aquele momento #2

poop-2024794_1280.png

 



Em que estás a passear no meio de um jardim, a observar as árvores e a natureza, e a tua filha de 4 anos te informa que tem que fazer cocó - tipo já - e a casa de banho mais próxima fica a uns minutos de distância.

Perguntas-lhe se aguenta e ela diz claramente, e algo aflita, que não.

E decides, em 3 segundos, levar a miúda para trás de um arbusto e deixá-la fazer cocó ali mesmo. E enquanto tentas apoiar a miúda numa situação mais ou menos confortável e tentas não cair com a barriga de 8 meses para cima dela enquanto ela executa o cocó, o teu namorado vai-te dando indicações de como a deves posicionar mais para trás ou mais para o lado para não se sujar.

Ainda tens outra filha de 2 anos algures por ali, precisas de umas toalhitas para limpar o rabo da miúda e recolher o cocó e vale-te uma amiga que está contigo e se prontifica a ajudar. Entretanto vem o namorado com as toalhitas numa mão e a mais pequena na outra e tudo se resolve em menos de nada. 

Minha rica filha que é tão desenrascada e não se importa nada com essas coisas. Faz o cocó onde puder e pronto.

E ricos amigos que também têm filhos pequenos e não se espantam nada com estas coisas.

Ter crianças pequenas tem destas preciosidades que nos alegram a vida e a alma. :D

Viva o bom humor e a descontração que nos torna a vida um festival de coisas boas mesmo (ou principalmente) quando existe cocó envolvido.


Qua | 25.07.18

Já devia ter comprado isto há uns 4 anos!

contorno de berco.jpg

 
Um contorno (como deve de ser) para o berço.

Já tive vários contornos de berço, inclusive um feito por mim, mas nenhum se revelou eficiente no seu objetivo: evitar que as crianças enfiassem os pés entre as grades do berço.

Ou eram muito baixos, ou muito fininhos, ou (no caso daquele que eu fiz) muito gordinhos e roubavam muito espaço à cama.

Confesso que sempre achei os contornos muito caros e gastar dezenas de euros num contorno nunca me pareceu a opção de investimento mais razoável. Pensei mal. Claramente.

O contorno de berço é essencial sempre que se usa um berço de grades porque os bebés conseguem dar voltas de 180º na cama durante o sono. Dão cabeçadas nas grades, enfiam os pés e as mãos entre as grades e, para além de se poderem magoar, acordam várias vezes durante a noite por causa deste pequenos "incidentes".

O meu erro foi não ter comprado logo um contorno de berço bom e ter optado sempre por comprar mais baratos e de menor qualidade. Fiz mal porque acabei por arranjar várias opções mais baratas que, todas juntas, me fizeram gastar mais dinheiro do que se tivesse logo comprado um contorno de qualidade.

Vivendo e aprendendo. Se fizéssemos logo tudo bem qual era a piada?

Se não acordássemos desnecessariamente várias vezes por noite porque uma miúda enfiou o pé pela quinta vez entre as grades do berço e não o consegue tirar, que histórias tínhamos para contar? Não era a mesma coisa, com certeza que não era.


Então agora para a Maria e depois para o Edu, resolvi aproveitar os saldos e comprar um contorno de berço como deve de ser. 

E, de facto, que diferença!!!!! Sinto-me completamente idiota por não ter comprado isto antes. 

De modo que comprei, por metade do preço, o contorno da imagem de cima.

Confesso que antes de o ver estava um pouco apreensiva e receava que não fosse bem como eu queria. Mas, quando vi a caixa enorme em que veio cuidadosamente embalado e vi que era feito de pequenas almofadas com o tamanho e largura ideais, fiquei logo descansada.
Já o usámos e tem-se revelado fantástico. Já não fico meio a tremer cada vez que a Maria se põe a espernear toda contente de manhã.

Deixo-vos três características que considero importantes num contorno de berço:

- Ser composto por almofadas e não apenas tecido com algum enchimento.

- Ter 30 ou 40 cm de altura.

- Contornar todo o berço e não apenas a parte superior (recomendo a compra de 2 contornos de 180 cm para dar para o berço todo).

Deixo-vos abaixo alguns contornos de berço do género do que comprei (até são um pouco mais altos) e que estão com um belo desconto.


Ver preços e detalhes clicando nas imagens.


Qua | 25.07.18

Ironias da maternidade #1

 

 

IMG-8127.JPG

 

Lembro-me bem de ter vinte e poucos anos e achar a maior parte das criancinhas extremamente irritante.

A coisa acentuou-se durante os anos em que trabalhei numa loja de roupa de crianças e via coisas que considerava bastante caricatas (na verdade considerava-as horrendas): miúdas a 3 anos a darem valentes estaladões nos pais porque não queriam vestir (ou despir) uma roupa; crianças que mandavam artigos da loja ao chão e se punham a pular em cima deles, outros que tiravam macacos do nariz e os colavam na roupa mesmo à minha frente e dos pais (quase que vomitava), etc, etc, etc.

Achava as crianças criaturas mal educadas, completamente incontroláveis e chatas como tudo.

Até que tive filhos.

Até que me vejo a olhar para as minhas filhas, quando estão no elevador, uma aos saltos e aos gritos toda contente, a outra praticamente a trepar pelas paredes do elevador (sim, com os dois pés na parede e as mãos agarradas não sei ao quê) e, antes de lhes indicar que se portem imediatamente com conveniência, permito-me acha-las adoráveis e engraçadas durante uns segundos.

Ahhhh como as coisas mudam...

Nota: Na foto está a Maria a puxar uma trança à irmã e eu a achar imensa piada. Claro que depois a repreendi convenientemente mas que é fofo é. :D

 

Ter | 24.07.18

Os meus gelados preferidos em São Miguel

IMG-8303.JPG

 

Os da Gelataria Abracadabra em Ponta Delgada. Os meus preferidos de sempre.

São gelados artesanais italianos e são mesmo muito bons! Existem vários sabores e de cada vez que vou lá são todos diferentes da ultima vez. 

Isso é bom e não é. É bom porque experimento sempre sabores novos, e não é porque já tenho as minhas combinações preferidas - como chocolate preto e coco - e nem sempre há os sabores que quero.
Ainda assim é sempre uma experiência deliciosa!

Aproveito toda e qualquer desculpa para ir até lá, geralmente ao final da tarde, durante um passeio em família.

Os gelados são tão bons que não consigo nega-los nem à Maria que vai comendo dos nossos toda contente. E gosta muito! :D

A Lara que nem gosta muito de doces também gosta muito destes. Come sempre um copo pequenino de morango.

Deixo-vos fotos de um dos nossos passeios até à gelataria.




IMG-8300.JPG
O gelado do Milton de chocolate e mais qualquer coisa que não sei o que é.


IMG-8301.JPG
O da Lara, que é sempre de morango.

IMG-8306.JPG
O meu, de chocolate branco e stracciatella.

 

Seg | 23.07.18

Coisas que me fazem impressão #1

hutomo-abrianto-576207-unsplash.jpg

 

Ter coisas partidas, estragadas ou "mal amanhadas" em casa.

Não sou nada maníaca das limpezas ou uma "fada do lar" brilhante mas não gosto mesmo nada de ter pendências em casa seja uma cadeira partida, um buraco na parede, um edredão manchado ou uma torneira a pingar.

Logo que uma coisa se parte ou avaria é urgente mandar arranjar ou substituir, faço questão.

Nos últimos tempos andámos a tratar das cadeiras que, sendo de pele sintética, começaram a desfazer-se e a deixar bocados de "coisas brancas" pela casa. Mandámos estofar com tecido e ficaram impecáveis. Foi um investimento grande mas ainda assim ficou mais barato do que comprar cadeiras novas.

Agora estamos no processo de fazer uma capa para o sofá, que está no mesmo estado em que estavam as cadeiras. Não sei se vamos estofar com tecido ou fazer uma capa, vai depender do orçamento mas é algo a fazer quanto antes.

Depois, e para já, fica tudo direitinho em casa.

É mais uma das vantagens de ter uma casa pequena. Apesar de haver manutenção para fazer é sempre muito menos do que numa casa grande. E, viver numa casa que parece estar sempre em obras não me apraz mesmo nada. 


 

Dom | 22.07.18

Dois livros que perturbam as minhas filhas!

São dois livros que trouxe da biblioteca na última vez que lá fui: um incomoda a Lara e outro, a Maria.

Na verdade não são os livros em si, mas uma página especifica de cada livro.

Primeiro o da Lara:

"O bebé"

Ainda não tinha trazido nenhum livro que explicasse de alguma forma como crescem os bebés e "de onde vêm" e achei que os 4 anos da Lara já são uma boa idade para isso. Ainda por cima com a chegada do irmãozinho, a Lara tem andado mais curiosa e tem feito muitas perguntas sobre bebés.

Não gosto especialmente das ilustrações (até as acho um bocadinho assustadoras) mas o livro até é engraçado e explica as coisas de uma forma simples.

Elas gostam imenso do livro e a Lara pede-me para o ler muitas vezes. Mas, a determinada altura, existe uma parte do livro que descreve as coisas de que os bebés gostam muito e as coisas de que os bebés não gostam nada.

E uma situação muito desagradável para os bebés é quando os irmãos mais velhos lhes fazem maldades. Ora esta cena é ilustrada com uma menina de tranças louras - com um ar especialmente malvado -  a roubar o peluche do bebé enquanto ele chora desalmadamente.

A Lara ficou perturbadíssima com esta imagem e, antes que eu pudesse comentar alguma coisa, disse logo que não ia fazer isso ao bebé e nunca mais ia fazer isso à Maria. Esta imagem mexeu mesmo muito com ela. Creio que não é a coisa em si que a aborrece mas a cara maléfica da menina mais velha. Acho que, como irmã mais velha, não gostou nada de se ver retratada desta forma.

É evidente que se esqueceu da sua promessa 10 minutos depois e voltou a "chatear a Maria" na primeira oportunidade.

E, sempre que voltamos ao livro, ela fica com uma expressão consternadíssima, sempre que essa imagem surge. E lá volta à promessa e a esquecer-se dela logo a seguir. :P

o bebe.jpg

 

o bebe 1.jpg

o bebe 7.jpg

 


No caso da Maria, temos um livro da coleção "O coelhinho": "O Coelhinho no Parque."

É um livro muito giro, com janelinhas, que ela adora. Retrata situações muito simples, que ela reconhece e consegue reproduzir em palavras muito facilmente.

A determinada altura o coelhinho cai do triciclo e começa a chorar. E lá fica a Maria consternadíssima a dizer: "Ohhhhhhh o coelhinho caiu e está a chorar!" e quase que começa ela a chorar também.

Está visto que tenho uma filhas muito sensíveis à literatura.  :D

o coelhinho 3.jpg

 

o coelhinho.jpg

 

o coelhinho 1.jpg

 

Sab | 21.07.18

Coisas de irmãs #4


Um destes dias a Lara encontrou a fita métrica do pai e resolveu, sentada no seu "triciclo gato", percorrer a casa toda e medir todos os móveis que encontrava.

A determinada altura a Maria sentou-se atrás dela - ainda não sei como cabem ali as duas - e lá foram as duas, medir as coisas.

Estavam engraçadíssimas e muito queridas. A Lara toda concentrada a fazer medições e a Maria muito concentrada a ver com atenção tudo o que a irmã estava a fazer.

E assim ficaram, nesta brincadeira inventada, uns 10 a 15 minutos. 


Adoro vê-las a inventar brincadeiras e a brincarem juntas, o que tem acontecido cada vez mais frequentemente. 

Também brigam bastante, mas vê-las tão cúmplices a brincar juntas compensa qualquer chatice.

IMG-8123.JPG

IMG-8124 (1).JPG

IMG-8126 (1).JPG

 

 

Qui | 19.07.18

Aquele momento #1

Seriously.jpg

 


Em que estás sentada no minibus e o "senhor" (de uns 70 anos) que está sentado ao teu lado profere umas palavras menos adequadas porque não conseguiu mandar para fora do minibus o lixo de plástico que tinha na mão.

O que me parecia ser um papel de rebuçado acabou por cair no chão do minibus mas a intenção mesmo era mandá-lo - descaradamente - para a rua.

Não consegui dizer nada mas fiquei em estado de choque o resto do dia.

Concluí que o senhor deveria ter alguma condição mental que o tivesse levado a fazer aquilo.

Mas quem é que faz isso?!!!!!

Qua | 18.07.18

Este post é sobre hemorroidas. Sim,é mesmo preciso falar sobre isso.

antonino-visalli-589280-unsplash.jpg


Não é o assunto mais fashion e fofinho do mundo mas é preciso falar disto: hemorroidas.

Travei conhecimento com estas caricatas criaturas quando estava grávida da Lara e fui fazer aquele simpático exame onde nos enfiam um cotonete no rabo. Aquilo doeu como o caraças e a senhora que fez o exame indicou-me que tinha ali uma hemorroida.

Até aceitei a coisa mais ou menos bem até que, depois do parto da Lara, cerca de meia dúzia de amiguinhas da entretanto batizada de Jaquelina vieram fazer-lhe companhia. Juntando as várias hemorroidas aos pontos depois do parto, posso dizer que fiquei sem me conseguir sentar bem durante 1 mês e meio.

Usei gelo várias vezes por dia, uma pomada que me deram no hospital e fazia tudo direito: comia fibras e vegetais, bebia muita água, lavava sempre a "zona afetada" com água fria depois de ir à casa de banho mas aquilo ainda demorou a passar.

Entretanto passou e, com a gravidez da Maria e agora nesta gravidez a Jaquelina tem voltado a manifestar-se. Felizmente, tem vindo sozinha e nem depois do parto da Maria voltei a ter notícias das suas amiguinhas.

O que mais me aliviava a dor das hemorroidas era aplicar gelo na zona afetada. Colocava preservativos cheios de água no congelador (têm o formato perfeito para a zona do períneo) e aplicava-os enrolados numa fralda de algodão.

Mas, recentemente descobri um remédio milagroso: aloe vera. Tenho dois vasinhos de aloe vera na varanda comum do condomínio e, depois de pesquisar sobre remédios caseiros para as hemorroidas, resolvi experimentar. 

Primeiro comecei por aplicar paralelamente à aplicação de gelo. Se punha gelo de manhã, usava o aloe vera à noite. Depois deixei o gelo e experimentei apenas aloe vera. E funciona mesmo.

No meu caso, a hemorroida aparece depois de episódios de prisão de ventre e pode voltar de semanas a semanas.

Sempre que aplico o aloe vera a dor desaparece ao fim de um dia ou dois de aplicação. É impressionante! Depois vai ficando cada vez mais pequena até deixar de incomodar.

Não sei se isto funcionará para toda a gente mas vale a pena experimentar.

O que faço é muito simples, lavo bem um bocadinho da folha de aloe vera (uma tira de  1 cm chega), retiro a parte verde de um dos lados para sair um liquido viscoso que aplico diretamente na zona e deixo estar a noite toda (geralmente aplico de noite).

Comigo basta aplicar uns dias para melhorar, sendo que as dores desaparecem ao fim de um ou dois dias.

Espero mesmo que isto ajude alguém porque é um assunto bastante ingrato. :P

 

Ter | 17.07.18

Coisas de irmãs #3

irmas 7.jpg

Acordamos pelas 7h00 da manhã todos os dias.

Geralmente a rotina é sempre a mesma: enquanto o Milton toma banho e se despacha, preparo o pequeno-almoço das miúdas e o lanche para levarem para a escola. Depois, enquanto o Milton come, visto as miúdas, lavam os dentes, penteio-as e ficam a ver desenhos animados 8 5 a 10 minutos) até sairem.

Se tiver oportunidade aproveito para adiantar alguma refeição como sopa para a noite ou papas de aveia para a Maria comer durante a semana.

Consigo fazer isso porque não gosto de comer logo que me levanto e as miúdas comem sozinhas.

Hoje a Maria estava especialmente aborrecida e eu estava a dar-lhe a comida à boca. A Lara, que entretanto já tinha acabado de comer e já tinha colocado o seu prato na bancada junto da loiça para lavar, pede-me para ver desenhos animados (que costumo deixar sempre que se despacha cedo). Disse-lhe que estava um bocadinho ocupada, porque já tinha começado a fazer papas de aveia e perguntei se poderia ajudar-me dando o pequeno-almoço à Maria enquanto eu terminava as papas. Prometi que logo que a Maria acabasse de comer colocaria desenhos animados para as duas e ela poderia escolher.

E assim foi. A Lara acedeu logo e deu o pequeno-almoço todo à Maria e ainda colocou o prato dela na bancada.

A Maria, a achar graça ao facto de ser a irmã a dar-lhe a comida, ficou logo bem disposta e comeu tudo muito bem, sempre com um sorriso malandro na cara.

As crianças conseguem mesmo ser surpreendentes! E queridas! :D 

Seg | 16.07.18

Que belo piquenique de São João!

IMG_3280 (1).jpg


A creche da Maria organizou um piquenique de São João, aberto a familiares e amigos das crianças da creche.

Gravidíssima e de pés inchados por causa do calor, achei que era melhor não ir mas a educadora da Maria, com toda a sua sabedoria e boa vontade, insistiu um pouco com o Milton e ainda bem que o fez porque o piquenique foi mesmo muito giro!

Fomos com um casal de amigos que também tem dois filhos pequenos (tenho que lhes pedir autorização para colocar os nomes aqui porque falo deles com frequência) e passámos o dia todo no Pinhal da Paz, uma reserva florestal de recreio que é um autêntico luxo de beleza natural e espaço para os mais pequenos.

O Pinhal da Paz tem extensas zonas relvadas, muitas zonas de churrasco belíssimas e bem equipadas, várias casas de banho em boas condições, dois parques infantis muito bem inseridos na paisagem, uma reserva de animais e paisagens de uma beleza verdadeiramente impressionante, até para quem já vive nos Açores desde sempre.

Voltando ao piquenique, foi mesmo muito giro. A organização do piquenique, da qual fizeram parte alguns pais, não se poupou a esforços para proporcionar momentos muito divertidos a todos. Existiram jogos tradicionais, 2 pula-pulas, concurso de guarda-sóis que apareceram todos decorados, dando ainda mais alegria e cor ao piquenique (também decorámos o nosso) muita música e convívio.

A Lara, a Maria e os seus amiguinhos divertiram-se muito e ainda estou para saber onde é que as crianças encontram tanta energia para andar a correr e a pular o dia todo e ainda pedirem para passear mais ao final do dia, quando já estamos a regressar a casa.

As crianças fizeram jogos tradicionais, a Maria foi dançar com o pai para o palco, a Lara e um amiguinho estiveram a dar comida a um veado jovem (foi tão giro!) durante um passeio que fizémos pelo parque, andaram no pula-pula e nos baloiços do parque, brincaram na terra, jogaram à bola, às corridas... foi um dia cheio de coisas boas!

Quando me sentei, já em casa, senti um cansaço de 100 kg abater-se sobre mim mas no piquenique, a ver a alegria das crianças, não senti cansaço nenhum. Estava ótima!

As miúdas chegaram a casa literalmente pretas de tanta sujidade e, depois do banho, aterraram na cama e dormiram a noite toda lindamente.

 

IMG_3267.jpg

IMG_3255 (1).jpg

piquenique 7.jpg 

Dom | 15.07.18

A trotineta da Lara

trotineta.jpg

 

O Milton queria comprar uns patins para a Lara.

Nunca achei piada nenhuma à ideia de uns patins tão cedo por isso foi com enorme agrado que verifiquei que, na loja onde fomos, não existiam patins para o tamanho dela.

Como aquela nos parecia a melhor loja de desporto não pensámos em procurar patins noutro sítio e o Milton resolveu comprar antes uma trotineta.

A Lara costuma andar de trotineta na escola, já com alguma desenvoltura, o que nos pareceu um bom motivo para lhe comprar uma para usar aos fins de semana e nas tardes de verão.

Viemos para casa com uma trotineta cor de rosa, daquelas com duas rodas à frente, capacete, joelheiras e cotoveleiras.

O Milton foi dar a primeira volta com ela e disse que tinha corrido muito bem.

Quando fui também e vi a Lara a andar de trotineta fiquei muito surpreendida com a agilidade dela. Andava muito à vontade, fazia descidas rapidamente e de forma segura e parecia que já andava de trotineta há meses. Bom... se calhar anda mesmo há meses, na escola.

Realmente tenho que assumir de uma vez por todas que a Lara gosta destas coisas, que isto a faz feliz e deixar de andar sempre colada a ela a dizer-lhe para não fazer isto e aquilo. Ela já tem 4 anos e uma agilidade física maior que lhe permite fazer as coisas com mais segurança.


Decidi descontrair um bocado e nem quando ela se estatela no chão eu fico muito preocupada (obviamente porque tem o capacete e as proteções para os braços e as pernas). Acho mesmo que as proteções são das coisas mais úteis que já foram compradas para a Lara. Faz mesmo toda a diferença nas feridas dela que serão muito menos e ainda mais nos nervos da mãe que ficam menos esfrangalhados.

A única questão é que a trotineta é muito cobiçada pela Maria que também quer andar e já dá ao pézinho a imitar a irmã.

Normalmente levamos o triciclo da Maria para ela andar enquanto a irmã anda de trotineta mas já se sabe que as crianças querem sempre o mesmo brinquedo e não é raro andarem as duas a disputar a trotineta.


Vamos aproveitar para treinar com elas a paciência, essa virtude tão útil quanto complexa. :P

 

IMG_3062.jpg

IMG_3173.jpg

triciclo.jpg

trotineta 1.jpg

 

Sab | 14.07.18

Coisas de irmãs #2

irmas 5.jpg

 

A Maria, com 2 anos, imita tudo o que a irmã faz e segue-a para todo o lado.

Uma das últimas brincadeiras delas é ficarem deitadas, na sala, a verem desenhos animados.

A Lara coloca almofadas no chão, vai buscar uma manta e deitam-se as duas, muito sossegadinhas, a ver desenhos animados. 

Não sei bem como é que isto funciona mas o facto é que a Maria odedece á irmã e fica ali sossegadinha imenso tempo. E a Lara mostra uma paciência admirável a conversar calmamente com a irmã para a convencer a deitar-se sossegada.

:)


E nós a aprendermos com as crianças como se faz! :P 

 

Sex | 13.07.18

Da biblioteca #10

Esta semana trouxe livros muito diferentes (uns dos outros) para a Lara. Ela está numa fase em que se começa a interessar pelo funcionamento das coisas e mais pelos "porquês" do que pelos "como" pelo que decidi apostar em livros "mais enciclopédicos".

Para a Lara, 4 anos:

"De onde vêm as coisas"

É um livro muito giro, cheio de abas e janelinhas, que explica a origem e o processo de distribuição das coisas que fazem parte do nosso quotidiano: as nossas roupas, a nossa comida, os diversos produtos que utilizamos.
É mesmo muito interessante e adequado para crianças de 4 anos. A Lara gosta muito dele e ouve-me a ler com toda a atenção.


"Horas"

Há uns dias que a Lara tem pedido para levar o relógio que a avó lhe ofereceu para a escola. Também nos pergunta as horas com frequência. Achei que eram claros sinais de que estava na altura de lhe começar a ensinar as horas. E este livro é uma boa ajuda. 
O livro fala das horas e das várias atividades que fazemos a horas diferentes e também ensina as estações do ano, os meses, etc.


"O bebé"

Nesta gravidez a Lara tem-se revelado muito mais curiosa sobre o bebé e a forma como "surge". Já lhe expliquei a verdade de uma forma simples e sem grandes pormenores. Este livro é engraçado (exceto no que diz respeito às imagens das quais não sou fã) e tem uma linguagem clara e simples. Já o lemos várias vezes.


"Contos num minuto"

Tenho apostado em livros que têm várias histórias pequenas para ler à Lara antes de dormir. Assim não temos que ler sempre o mesmo e vamos diversificando o repertório de contos. Daqui ainda não li nenhuma mas depois de o folhear na biblioteca achei que podia ser interessante. Vamos ver.


"Os três ursos" e "A lebre e a tartaruga"

São contos pequeninos que se leem bem e são práticos para transportar para qualquer lado. Costumo levá-los quando vamos sair para entreter a Maria e a Lara num café, por exemplo.


"Anita e a visita de estudo"

Já há algum tempo que não trazia livros da Anita e este pareceu-me adequado, já que a Lara começou a fazer este ano algumas visitas de estudo.


"O lobo e os 7 cabritinhos"

É uma das histórias da minha infância e, apesar de o ter trazido mais para a Maria (tem figuras fofinhas para tocar e efeitos com tecidos e relevos brilhantes), a Lara também gosta bastante dele.


livrosdabiblioteca.jpg

anitaeavisitadeestudo.jpg

oloboeos7cabritinhos.jpg

 

Pág. 1/2